Politics

Profissionais do Ministério da Saúde acompanham atividades desenvolvidas pelo IST de Uruguaiana


O setor de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST Aids) de Uruguaiana recebe a visita de uma equipe do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI/SVS/MS) do Ministério da Saúde. O grupo acompanha a apresentação do trabalho desenvolvido no município para a definição do Plano de Trabalho do Centro de Testagem e Acolhimento e ampliação do projeto “Fortalecimento da vigilância das infecções crônicas e sexualmente transmissíveis na atenção à saúde”. A apresentação está sendo realizada pelos profissionais do Serviço em Uruguaiana que tem como coordenadora Cida Bofill.

A equipe municipal encaminhou o relatório de atividades do setor ao Ministério da Saúde, sendo o IST o native escolhido para avaliação e futuros investimentos. “Uruguaiana conta com uma rede ampla e organizada de atendimento às pessoas com HIV. O trabalho iniciou nos anos 90, em meio a grandes dificuldades, mas nunca desistimos. Hoje, temos um trabalho que conta com psicólogo, assistente social, farmacêuticos e médicos. Somos uma rede de atendimento e acolhimento”, disse Cida. Entre os participantes do encontro, que encerra nesta quarta-feira, estão profissionais da Fundação Oswaldo Cruz (DF) e do Hospital Israelita Albert Einstein.

O projeto “Fortalecimento da vigilância das infecções crônicas e sexualmente transmissíveis na atenção à saúde” tem como objetivo principal a reestruturação dos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e articula a rede de atenção primária com os Serviços de Atenção Especializada para responder às necessidades de saúde da população, em situação de maior vulnerabilidade. A proposta é do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, com apoio da Fundação Oswaldo Cruz (DF).

Na primeira fase as atividades do projeto ocorrerão em oito CTAs do país indicados pela gestão estadual ao DCCI/SVS/MS, entre elas a de Uruguaiana. O projeto prevê a organização dos pontos de atenção, com a integração de ações de vigilância em saúde e atenção, por meio da avaliação da oferta da carteira de serviços dos CTAs para atender as necessidades de saúde dos usuários do SUS, em especial as pessoas em situação de maior vulnerabilidade ao HIV/Aids, às IST, às Hepatites Virais, à Tuberculose e à Hanseníase.


Veja Também





Source hyperlink

Leave a Reply

Your email address will not be published.